Detento que não pôde ir a enterro do pai será indenizado em danos morais no RS

Por Jomar Martins

Se o juiz libera o detento para acompanhar enterro de parente, o diretor do presídio tem a obrigação de acatar a ordem judicial, por respeito ao estado democrático de direito. Se não o fizer, tem de explicar à Justiça o motivo, e de forma fundamentada, para não incorrer em ilegalidade.

Por desconsiderar este dever, o Estado do Rio Grande do Sul vai pagar dano moral a um detento impedido de ir ao enterro do pai, que também cumpria prisão cautelar no Presídio Central de Porto Alegre. A determinação é da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça gaúcho, ao confirmar sentença da 1ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre.

Nos dois graus de jurisdição, a Justiça não aceitou o argumento de que a ordem judicial não foi cumprida por “falta de efetivo” para acompanhar o detento. O único reparo foi a diminuição do valor da indenização, que caiu de R$ 10 mil para R$ 5 mil.

Permissão do juiz
No primeiro grau, a juíza Vera Regina Cornelius da Rocha Moraes observou que a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), que cuida dos presídios estaduais, não conseguiu demonstrar a “falta de recursos materiais e humanos” (escolta) para viabilizar o deslocamento do autor. Logo, julgou procedente o pedido de dano moral. Afinal, o juízo criminal da Comarca de São Sebastião do Caí havia dado permissão para acompanhar os atos fúnebres do pai do autor.

No segundo grau, o relator da Apelação no TJ-RS, desembargador Carlos Eduardo Richinitti, também observou que o diretor do presídio não conseguiu comprovar o motivo da falta de escolta. Ou seja, não justificou a violação de uma ordem judicial e de um direito assegurado ao apenado, colega do seu pai na prisão.

Violação à ordem judicial
“Esta prova não era diabólica ou difícil, bastava que viessem aos autos o número de agentes penitenciários, policiais militares e viaturas disponíveis no dia dos atos fúnebres e o número de escoltas programadas para audiências e julgamentos, por exemplo”, exemplificou no acórdão.

Diante de clara violação a ordem judicial, o mínimo que se espera, conforme Richinitti, é que a justificativa seja feita de forma adequada, e não por meio de “documento padronizado e pouco elucidativo” a respeito da situação posta nos autos da ação indenizatória.

“Assim, porque o Estado tinha o dever de dar cumprimento à ordem judicial e a clara possibilidade de evitar que o autor sofresse o dano moral de não poder se despedir de seu pai, evidenciada a sua responsabilidade no caso concreto (…). É inegável, portanto, que o fato gerou dor, aborrecimentos e sofrimento ao autor que refogem aos inconvenientes cotidianos”, concluiu o relator no voto.

Clique aqui para ler a sentença.
Clique aqui para ler o acórdão.
Processo 001/1.09.0253324-3 (Comarca de Porto Alegre)

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 29 de abril de 2019, 7h09

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s